Menos pessoas juntas, mais polícia e multas: as novas medidas para Lisboa

* Texto publicado originalmente no site NiT

Primeiro-ministro anunciou horários mais restritos para os estabelecimentos e mais polícia (e multas) contra as concentrações

Com a região de Lisboa e Vale do Tejo a ser a zona do País que, há largos dias, tem mais casos de novas infeções pelo novo coronavírus, as medidas entre partes da Grande Lisboa e o resto de Portugal deverão mesmo, a partir de agora, ser diferenciais.

Esta segunda-feira, 22 de junho, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o governo vai manter o Estado de Calamidade em várias freguesias de cinco concelhos de Lisboa, onde se tem registado um maior número de novos casos de infeção pela Covid-19. Serão 15 estas freguesias em calamidade, embora não tenham sido anunciadas quais.

Segundo o “Jornal Económico”, a medida deverá ser formalizada na próxima quinta-feira, dia em que o Conselho de Ministros reavalia o Estado de Calamidade, sendo no entanto já certo que este deve ser mantido nos concelhos que se têm revelado mais problemáticos na evolução da pandemia.

Depois de uma reunião esta segunda-feira com os autarcas dos concelhos mais afetados, Costa referiu ainda, citado pela “Renascença”, que já a partir da meia noite desta terça-feira, 23 de junho, entram também em vigor medidas mais apertadas de contenção ao vírus nesta zona.

O novo diploma prevê contra-ordenações que permitam às forças de segurança reforçar a sua presença na rua e a “autuação de quem organize ou participe ajuntamentos que não sejam permitidos”. Na Área Metropolitana de Lisboa, será ainda reposto o limite de 10 pessoas nos ajuntamentos e reforçado do número de agentes da PSP e GNR.

É também decretado encerramento dos estabelecimentos comerciais e de restauração às 20 horas, à exceção dos restaurantes que servem jantar. Os centros comerciais vão também “ser mais fiscalizados”. O líder do governo garante que estas medidas “substituem” os efeitos de uma eventual cerca sanitária, sem as limitações na atividade económica inerentes às cercas.

De acordo com o último boletim da Direção Geral da Saúde, Portugal teve mais 259 casos confirmados de coronavírus nas últimas 24 horas, a grande maioria dos quais, novamente, na região de Lisboa.